:: LEVA-ME CONTIGO ::


:: LINK-ME ::


sábado, 15 de março de 2008

A lenda de D. Ramiro




Conta-se, que em tempos muito idos, D. Ramiro, um destemido e impiedoso cavaleiro, regressado de mais uma campanha vitoriosa sobre os mouros, cruzou-se com duas mulheres, mãe e filha, a quem exigiu que o servissem de água. Fê-lo de forma rude. A jovem, assustada com os modos brutais do cavaleiro-guerreiro, deixou cair a bilha, que se quebrou. Irado, Ramiro lançou-se sobre as duas mulheres e, cego de fúria, acabou com a vida das duas. A mais jovem, porém, antes de morrer, amaldiçoou o guerreiro e toda a sua descendência. No momento em que se consumava a morte brutal das duas mulheres surgiu, já sem oportunidade para as salvar, um jovem mouro: era filho de uma e irmão de outra das mulheres que jaziam prostradas aos pés do furioso cavaleiro. Este, bem treinado em lutas, fez do jovem seu prisioneiro, e levou-o consigo para o castelo.


Este D. Ramiro vivia no castelo com a sua mulher e a filha, Beatriz. Apesar de prisioneiro do fidalgo guerreiro, jovem mouro jurou vingar a morte da sua mãe e irmã. Escolheu para alvo desta sua vingança, as duas damas do castelo, a mulher e a filha de Ramiro. À esposa do cavaleiro, fez tomar todos os dias, sem que o soubesse, um veneno de acção lenta que pouco a pouco a fez definhar e morrer. Angustiado com a perda, D. Ramiro parte para novas batalhas, deixando Beatriz confiada à protecção do mouro. Então, o amor, correspondido, entre os dois foi mais forte e a jura de vingança ficou abandonada.
Regressado das batalhas, o nobre tinha outras intenções para a sua filha: que esta casasse com um jovem cavaleiro da sua fé.
Sabendo de tal situação e para não perder Beatriz, o jovem mouro contou-lhe toda a história, desde a morte da sua família até ao seu desejo de vingança. A jovem perdoou-lhe, e ambos, cada vez mais apaixonados, fugiram do castelo e desapareceram para sempre… ou talvez não, porque, diz-se, nas noites de São João, se olharmos para o alto da torre de menagem, aparece a imagem do eternamente jovem casal apaixonado, abraçado com, a seus pés, prostrado, a pedir perdão, D. Ramiro.
Mas o mouro responde-lhe, na lenda, de forma dura e inflexível: maldição!!!
©2007 '' Por Elke di Barros